segunda-feira, 4 de maio de 2009

LUARADA

“Lá no espaço comovido
A lua move seus braços
E exibe lúbrica e pura
seus seios de duro estanho”
(Lorca)


Selene,
lasciva,
tu chamas
a contemplar
teu langor entre estrelas
Sorris e –
à meia cara –
desafias com tua presença
este céu enrubescido
(Mesmo Vênus de brilho cortante
se balança a teus pés)
Inútil passe de mágica
Os sacerdotes já sabem
o brilho que roubas de Hélio
Os sábios conhecem cada passo
da tua dança submissa
ao redor de Gaia
Mas o que vejo
é tão somente
tua silhueta
Ai que o prazer
olhos adentra!
E vem só deste contraste de luz
Espelho possível
onde Narciso contempla orgulhoso
sua própria face....

Suraia/1984

2 comentários:

Danilo de Abreu Lima disse...

suraia,
a lua, smepre a lua, nossa musa ded sempre- derramando luz nos nossos versos e lirismo em nossas maz\elas- ser poeta é isso: ser lírico, sempre, delírico e onilirico, esses preitos à palavra e aos sentimentos- Gosto do seu estilo, dos seus versos e da transparência de sua poesia- grande prazer conhecer seu trabalho- concordo...por meio do over descobri alguns bons poetas, que ficaram...outros, passageiros, passaram..mas valeu a experiência- continuarei a postar lá, embora dikscorde dessa coisa de publicar sem um crivo mínimo de critica e de correção dos textos- as spessoas antes não liam, praticamente votavam por assim dizer, na pessoa e não nos texstos- eu, particularmente, nunca pedi votos nem nunca mandei torpedos- agora, nem sequer leem, eu acho, ficou uma coisa meio sem sentido... a gente quer ser lido,criticado e cometnado- se não, não tem graça... a net está cheia de blogs e de sites de literatura- só tem sentido sse a semente floresce... abraços do poetairmão Danilo.

PINHEIRO disse...

Vixi, q poesia sonora. Uma beleza. Muito bom, parabéns.